Anvisa adia para semana que vem decisão sobre emagrecedores

Conselho Federal de Medicina emitiu nota afirmando esperar a liberação dos inibidores de apetite

Revista Veja

Revista Veja

A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a proibição ou não dos remédios emagrecedores, prevista para esta quarta-feira, deve ficar apenas para a próxima semana. A diretoria colegiada da entidade — formada por seus quatro diretores — se reuniu durante a tarde, mas não chegou a uma conclusão sobre o banimento da classe de medicamentos anorexígenos, como a sibutramina. No início deste ano, a Anvisa propôs proibir a comercialização de todas as drogas que atuam no sistema nervoso central, como a sibutramina e os derivados de anfetamina (femproporex, dietilpropiona e mazindol), baseada em um estudo que apontava que o consumo dessas substâncias aumenta o risco de problemas cardíacos. Na época, segundo Dirceu Barbano, diretor da Anvisa, a agência concluiu que, por mais que o medicamento seja controlado e indicado apenas para pacientes com determinados perfis, não há evidências suficientes que demonstrem que a perda de peso supera os riscos cardíacos. A forte reação da classe médica fez com que fosse convocada um painel científico em Brasília, na metade de junho, com médicos e até com a presença do cardiologista norueguês Christian Torp-Pedersen, integrante do comitê independente que realizou o estudo Scout, sobre os efeitos da sibutramina em pacientes obesos. Foi com base neste estudo que a Anvisa propôs a proibição dos emagrecedores. Durante o encontro, Pedersen disse ao site de VEJA ser contra o fim da comercialização da sibutramina. Após o painel, a equipe técnica da Anvisa manteve a recomendação de banir os emagrecedores, mas, na última quarta-feira (24), houve um recuo. Em relatório apresentado para membros da Câmara Técnica de Medicamentos (Cateme) da agência, a equipe manteve a decisão de indicar a proibição apenas das drogas dietilpropiona, femproporex e mazindol. O documento impôs condições para que a sibutramina continue no mercado: a droga não pode ser prescrita por um período superior a 60 dias, o paciente tem de ter índice de massa corpórea (IMC) acima de 30 e ele também terá de assinar um documento em que confirma estar ciente de todos os riscos. Nota — O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou, nesta quarta-feira, um comunicado defendendo o uso dos inibidores de apetite como "auxiliares no tratamento da obesidade". A entidade também afirmou que, em vez de proibir a comercialização dos medicamentos, é "recomendável fortalecer os mecanismos de controle de sua venda".

Anvisa proíbe fabricação e venda de quatro marcas de suplementos vitamínicos



notícias | vídeos | cobertura | velocímetro | trabalhe conosco | quem somos |

Júpiter Telecomunicações © (Copyright 1997-2017) Todos os direitos reservados
Imperatriz / MA - Rua Simplício Moreira 1485, Centro
Fone/Fax: (99) 3529-3131 - E-mail: sac@jupiter.com.br
Produced by Rafael Correia Paz