Tite elogia Bélgica e admite favoritismo do Brasil: "Pela história e o que vem fazendo"

Técnico não vê Seleção pronta, mas reforça que time merece estar entre candidatos ao título em 2018. Treinador enaltece "geração de muito talento" da Bélgica

Daniel Mundim

Globo Esporte

26/09/2017 08:26:15

Tite tem cautela. A menos de um ano da Copa do Mundo da Rússia, o treinador da Seleção ainda não vê o Brasil pronto para o Mundial. Mas percebe que está no caminho certo. Em evento de um patrocinador na noite desta segunda-feira, no Rio de Janeiro, o comandante reconheceu que sua equipe está entre os favoritos ao título da Copa do Mundo.

– Brasil é um dos favoritos, sim. Pela história e pelo que vem desempenhando. Em cima do presente do que os atletas estão fazendo, digo que a equipe está fazendo por merecer estar entre os favoritos – avaliou Tite, em bate-papo com o ex-jogador e comentarista Caio Ribeiro.

No evento, o comandante não conversou com a imprensa. Apenas participou como um dos convidados. Tite revelou que mantém conversas e encontros com ex-treinadores campeões do mundo com o Brasil, como Parreira e Zagallo. E reforça que não vê a Seleção ainda pronta.

– Não (Seleção não está pronta). Digo que tem que aproveitar cada momento. Está se formando. O período de preparação foi pela metade, só dois anos. Tem que apressar.

"Tenho procurado conversar, fazer um intercâmbio com Parreira, estar mais próximo do Zagallo. Já fiz algumas vistas a ele. Ele tem me aconselhado muito. Me passa segurança", revelou o técnico.

O otimismo de Tite com o Brasil passa pela completa transformação que a Seleção teve desde sua chegada. Há um ano, a equipe era a sexta colocada nas eliminatórias. Com Tite, garantiu a vaga na Copa do Mundo com quatro rodadas de antecedência. Sem mencionar nomes ou avaliar trabalhos anteriores, o técnico enalteceu que sua preocupação inicial foi só um: elevar a autoestima em todos os níveis na seleção brasileira.

– Foi um trabalho de resgate de confiança. A primeira ação é coletiva. Com todos envolvidos. Os roupeiros, segurança, as pessoas que nos levavam para os lugares. E colocar a todos que tínhamos objetivo e que o trabalho era do grupo. E que, para que fluísse, deveria trabalhar com todos. Serviu para fortalecer. Depois fui aos atletas, levar as ideias e transmiti-las para o campo. Esses estágios foram acontecendo.

 

Bélgica: "Não lembro de uma geração tão boa"

 

Questionado sobre os principais rivais na busca pelo título da Copa do Mundo, Tite fez questão de nomear várias seleções campeãs do mundo, especialmente as europeias. Mas citou - e ressaltou - outra: a Bélgica.

– A Alemanha está muito forte. A França, a Itália sempre tem que estar. Mas gosto da Bélgica. Muitos talentos individuais. Muita qualidade junta há muito tempo. Não lembro uma geração tão boa como essa belga – afirmou Tite.

O Brasil volta a jogar no dia 5, enfrentando a Bolívia fora de casa pelas eliminatórias para a Copa. Na última rodada da competição, o adversário será o Chile, na Arena Palmeiras, no dia 10 de outubro. A Seleção tem amistoso marcado contra o Japão para o dia 10 de novembro, em Lille, na França. A CBF também negocia partida contra a Inglaterra quatro dias depois, mas depende da classificação dos ingleses para a Copa.



notícias | vídeos | cobertura | quem somos |

Júpiter Telecomunicações © (Copyright 1997-2017) Todos os direitos reservados
Imperatriz / MA - Rua Simplício Moreira 1485, Centro
Fone/Fax: (99) 3529-3131 - E-mail: sac@jupiter.com.br
Produced by Rafael Correia Paz

E-mail: sac@jupiter.com.br
Cnpj: 01.625.636/0001-91